segunda-feira, 26 de março de 2018

Curso de Terapia Sexual





Dando continuidade aos meus estudos sobre sexualidade humana comecei, neste final de semana, e que durará até dezembro deste ano, o CURSO DE TERAPIA SEXUAL promovido pelo Programa de Estudos em Sexualidade (ProSex) da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP).




O curso tem como um dos objetivos sistematizar o conhecimento na área da terapia sexual com enfoque na multidisciplinaridade e é coordenado pela Profª Drª Carmita Abdo.



segunda-feira, 19 de março de 2018

Palestra na Paróquia Nossa Senhora da Esperança




Palestra dirigida ao pais dos adolescentes da Paróquia Nossa Senhora da Esperança.



Nesse encontro discutimos as dificuldades dos pais em dialogar com seus filhos que se encontram nessa fase da vida e também foi um momento de muitas trocas, conhecimentos e aprendizagem.



Sinto-me grata e honrada pelo convite e de colaborar.




terça-feira, 28 de novembro de 2017

Quando o assunto é saúde psíquica e mental, sabemos identificar e como se tratar?

Texto publicado na página Godoy Studio Hair - www.facebook.com/godoystudiohair

Olá leitores

Espero que estejam bem.

É com muita satisfação e alegria que abro essa coluna com a notícia de que, neste mês, completamos 03 anos de encontros mensais! Aqui conversamos sobre diversos conteúdos que fazem parte de nosso cotidiano e que, nem sempre, há espaço para o diálogo e entendimento. Agradeço a companhia e todos os carinhosos comentários que recebo em todas as edições.

Esse espaço nasceu da necessidade de informação e conhecimento sobre os temas relacionados à vida emocional e, sendo assim, o assunto deste mês é justamente o preconceito no que se refere à saúde psíquica e mental. Atualmente fala-se muito sobre depressão, ansiedade, TOC, fobias e esquizofrenia mas, realmente, sabemos do que e como se trata?

Porque há um estigma quanto à procura por um psiquiatra e por tratamento psicológico? Porque não procuramos nos instruir? Porque permanecemos ignorantes a um tema que atinge a todos, independentemente, de classe social, cultural, econômica?

Aprendemos a entender como doenças somente as manifestações físicas, isto é, aquelas que são concretas, por exemplo, tenho uma dor no estômago e agendo uma consulta com um gastroenterologista. E as moléstias são apenas no corpo?  E, quando não conseguimos identificar do que e pelo que sofremos, acarretamos dores ainda maiores.

Historicamente, somos uma sociedade que condena seus membros, e que rotula como “loucos ou malucos” aqueles que sofrem de alguma enfermidade psíquica e mental, ao isolamento e exclusão e que não procura compreender e apreender os meios para que estes sejam devidamente cuidados e assistidos. E, agindo assim, acabamos por padecer de suas consequências. Isso é visível nos recentes e abundantes episódios envolvendo os males dessa natureza.

É indispensável que saibamos que não importa a origem do nosso mal-estar (orgânico, psíquico ou mental) mas sim o que precisa prevalecer: nosso equilíbrio. E que não é vergonhoso, humilhante ou indício de fraqueza recorrer a esse tipo de auxílio ou ajuda, pelo contrário, lutar e buscar seu conforto é o maior presente que você possa se dar.
  
Até o próximo mês.

Abraços,
Rose

Revisão: Regiane da Silva Santos
Blog: http://traduzosuaideia.blogspot.com.br